quinta-feira, 20 de setembro de 2012



Vagabundo poeta

Ao ouvir o trovão forte
que uma vida sem sorte
soou lá pras bandas do norte

Ao sentir as batidas
tão ressentidas
de uma vida sem saída

Ao pressentir o sufoco
de um poeta rouco
julgado como vil e louco

Eu preciso gritar junto
pra sacudir o mundo
louvando o vagabundo

.

2 comentários:

Martha Marquez disse...

Querida Anorkinda,
Quão lindo este poema e quão verdadeiras são suas poesias. Parabéns!Seu blog é lindo!
Me tornei sua seguidora.
Beijos no seu coração,
Martha

http://ternuraantiga.blogspot.com.br

ANORKINDA NEIDE disse...

Muito obrigada, querida!

Te visitarei! volte sempre!
bj