quarta-feira, 27 de agosto de 2014






Prisioneira

Em correntes de acordes
fizeste-me prisioneira,
mesmo que, zombeteira,
eu relembre os lordes.

Sem vacilos, recolhestes
o luar do céu, por inteiro
e não fostes o seresteiro
a cantar em finas vestes.

Em correntes favoráveis
de ventos aprazíveis
permiti-me solar

Sem vacilos possíveis
compus os mais amáveis
tercetos de te amar

.



Um comentário:

A. J. Cardiais disse...

Kinda, estou levando este soneto para nossa coletânea Polinização Poética. Beijos