terça-feira, 23 de junho de 2009



A minha estrela

Em tempos virtuais
me chamei Estrela
para aprofundar mais
o grito de uma alma

Querendo versar
seu conhecimento
lembrança estelar
em transbordamento

Na transparência do brilho
Estrela de minha alma
fez rima e sonetilho
paixão que me acalma

Trouxe de dentro de mim
a força de um universo
amigo querubim e curumim
enfeitando a entrelinha do verso

Reconheci parcerias
presentes verdadeiros
bênçãos de autorias
dos deuses poeteiros

Presença indígena
manifestou-se, coroando
a trilha mais plena
e sigo eu versando...

........

Um comentário:

Márcia Poesia de Sá disse...

Sou absolutamente apaixonada por este poema...

Beijos!