domingo, 16 de novembro de 2008


ARCO-ÍRIS

De vez em quando lembro
de olhar o espectro colorido
que trago em meu peito

Parte de mim e de ti
Fragmentos do mundo
que resplandece perfeito

União em cores distintas
Individuais porque infinitas
declaram o amor divino

De vez em quando choro
lágrimas de reflexo colorido
dor de amar cristalino

Parte de mim e de nós
Movimentos do mundo
que transformam o sujeito

União em cores translúcidas
pungentes porque infinitas
compõem o drama perfeito


....................

Um comentário:

Nevenka disse...

Aos poucos você vai soltando sua alma e ela vai pincelando cores lindas em forma de palavras doces... pelas páginas da vida.

beijos

Nevê