quarta-feira, 12 de janeiro de 2011



FÁBULA DO ESPELHO D'ÁGUA


Contam por aí
que na época
em que  os tatus
falavam pelos cotovelos


Aconteceu algo estranho
quando o macaco
foi matar a sede
no espelho d'água


É que seu reflexo
começou a falar
sobre as lindezas
de dentro do lago


- Meu irmão, aqui
não tem seca
nem sede terás tu...
Venha cá, molhar teus pelos...


- É um eterno banho
o calor do sol é fraco
sem teimosia de parente
aqui no espelho d'água...


Aquilo era tão sem nexo!
Macaco parou até de respirar!
Que doida natureza
era aquela do lago!


Queria sair dali
comer banana da penca
afugentar urubu
mas o reflexo continuava a surpreendê-lo!


- Vem, meu irmão, não é sonho...
Melhor do que se meter em buraco
e ter o corpo quente
é se refrescar em fresca água!


Ah... mas o mistério não era tão complexo...
Macaco é difícil de se enganar!
Num piscar de esperteza
macaco viu dentro do lago!


- Peixe safado,zarpa daqui!
- Me molhar, você nem tenta!
- Sou mais esperto que o tatu!
- E mais vingativo que o camelo!


Peixinho num medo medonho
mergulhou sem atraso
e o macaco vingar-se não pôde
ele não iria jogar-se n'água...


Apreendeu ali que o reflexo
até pode sozinho falar
mas apenas das belezas
que vê fora do espelho do lago...

.

2 comentários:

Neto disse...

Mais uma das suas histórias? Já as conheço bem! Que intrigante esse personagem. Gostei. Fiz uma interpretação de devaneio. Observe como entre o macaco e o reflexo no lago há uma ligação semelhante entre o homem e a televisão. Percebe? Fiquei chocado quando notei isso! Anorkinda sempre despertando idéias loucas nos outros!
Abraço, beijo, tchau,
Ivan Lantyer Neto

Anorkinda disse...

Oba...devanear é bão demais!
Vou embarcar embarcar neste delírio depois te conto o que que deu...hihi

bjão, guri!