terça-feira, 19 de maio de 2009




A POESIA SEM TEMA

trago as letras unidas em palavras
que unem-se em orações ou versos?

trago a inspiração dos ventos
que carregam pólens ou suspiros?

trago as luzes das idéias
que faíscam em neurônios agitados

trago aquilo mesmo que busco:
as cores inebriantes do crepúsculo!
.....

Um comentário:

Márcia Poesia de Sá disse...

"Trago aquilo mesmo que busco
as cores inebriantes do crepúsculo!"

Muito linda esta poesia....bravo!