terça-feira, 26 de maio de 2009

SONETO SÓ


Só, prossigo andando até que me queimem os pés!
Somente a luz lá na frente promete intimidades.
Sozinha, envolta em minha própria e profunda fé!
Só a mente repetindo a mesma mediocridade.


Entre amigos compartilhando até que findem os tempos!
Abrangente o amor em transbordados corações.
Rodeada de carinhos, sorrio aos contratempos!
Em ternura afogo todo um rio de ilusões!


Só, prossigo encafifada com minhas emoções.
Entre afagos, curto minha solidão.
Sozinha ainda sigo entre as multidões!


Sozinha, espalho ao vento estes versos cansados
Em eternos sussurros do coração.
Só a poesia acompanha meus delírios ousados!


.......

Um comentário:

Márcia Poesia de Sá disse...

Minha linda,acompanho você totalmente neste teu sentimento ai descrito...e ela essa nossa amante eterna, apoesia é de fato nossa companheira sempre e para tudo...lindo poema...bj